domingo, 8 de abril de 2012

Vou te levar comigo

postblog

Laís,

  Te escrevi uma carta, te avisei da carta e não te mandei. Você já sabe como sou; provavelmente a carta está agora perdida na minha gaveta entre apostilas do ano passado e artigos que preciso ler para as provas que começam semana que vem. Ela está lá, apesar disso, e um dia, quando formos bem mais velhas ainda vou relê-la pra lembrar dos nossos feitos e rir das nossas bobeiras. Pois bem, resolvi escrever-te de novo e dessa vez postar aqui no meu cantinho, onde me sinto a vontade e não há risco deste texto sofrer qualquer tipo de extravio.

  Pra começar, preciso falar que tenho sentido sua falta mais do que achei que fosse sentir. É claro que eu sempre soube que minha rotina, círculo de amizades e conversas iriam mudar, mas aquela história de que sentimos falta quando há a presença da ausência faz mais sentido agora. Sinto falta de alguém pra compartilhar qualquer coisa imbecil, rir das minhas piadas que poucos entendem, abrir o coração de forma sincera. Sinto falta de rir com você no ônibus, chorar quando as coisas vão mal, reclamar de pressão, cansaço, estresse. Fazemos do programa mais meia-boca o acontecimento do ano! Dançamos até não aguentar mais ficar sobre o salto e, se for preciso, descemos dele pra continuar na pista.

  Esse ano faz três anos que viramos amigas. E também faz 18 anos que nos conhecemos. Incoerente, mas foi a coisa mais sábia que o destino, os deuses, os astros e mesmo Deus fez por nós. Agradeço por cada pedacinho seu que você deixou na minha vida (e acredite, vão ficar para sempre). Nesse tempo, aprendi a lidar com você, suas inconstâncias, seu temperamento, sua personalidade forte, sua sinceridade e sua sensibilidade exacerbada. Você é muitas em uma só, e por isso é julgada muitas vezes. Basta que te deem a chance de se mostrar um pouquinho e essa menina que se esconde em mulher logo sai pra brincar.

  Eu só queria que não perdêssemos o que temos agora. Por incrível que pareça, apesar de não estarmos mais juntas todos os dias, sinto que nossa amizade só cresce e isso me deixa imensamente feliz. Quero partilhar das suas alegrias e tristezas mesmo longe. Quero que você me ligue pra ficarmos horas a fio falando de nada no telefone. Quero continuar te mandando mensagem pra falar uma idiotice ou só pra te lembrar que você não está sozinha. Não quero te perder mesmo que as circunstâncias nos levem a pensar o contrário ou a vida nos ponha em caminhos totalmente distintos.

  Vejo que mudamos e ainda assim nos moldamos uma à outra e espero que essa seja uma característica permanente na nossa amizade, por mais difícil que isso possa ser.

  Que a gente continue com essa alegria de viver cada dia como se fôssemos livres, sem compromisso com a vida ou qualquer outra coisa.

  Viver só por viver, da forma mais suave...

  Um beijo,

  Paula.

“Menina, vou te guardar comigo (…)

Menina, levo você comigo.”

4 comentários:

  1. Amei tudo que você escreveu e concordo com todas as palavras. Esse texto veio pra salvar meu sábado, que foi quase que entediante por inteiro.
    Eu também sinto muito a sua falta, mais do que eu imaginava sentir e eu acho que é por isso que eu tenho excedido minha cota de msgs ultimamente. Afinal não tenho mais aquela rotina ao seu lado pra compartilhar em tempo real as nossas bobeiras(como por exemplo, te avisar da presença ilustre de determinada pessoa de beleza exacerbada no curso) e, por isso, tenho que fazer uso do meio mais instantâneo possível.
    O acaso foi muito gentil com a gente e nos uniu no momento certo. Tenha certeza de que a gente não vai se separar e de que vamos ficar velhinhas, indo pra hidroginástica juntas e buscando nossos netinhos na escola!
    Te amo muito mesmo, melhor amiga!

    ResponderExcluir
  2. Que lindas palavras. Parabéns pela amizade. É sempre bom ter verdadeiros amigos por perto, aqueles que sabem da sua vida mais do que qualquer outra pessoa, e fazem dias comuns, virarem dias maravilhosos!

    ResponderExcluir
  3. Realmente emocionante seu texto, Paulinha. É raro encontrar sentimentos puros e sinceros como esse que você transformou em palavras aí em cima. Acredito muito que é importante mantermos claro aquilo que sentimos em relação a alguém.

    Um beijo,
    Monique

    ResponderExcluir
  4. Que post lindo, lindo! Fiquei emocionada, sério! É raro encontrar uma amizade verdadeira assim, agradeça todos os dias por isso. Também tenho amizades como essa e já passei por isso que você está passando. Sei muito bem como é. Mas a gente se acostuma! E a amizade só tende a crescer, não importa a distância.

    "A amizade é como o sol: as vezes se distancia, mas nunca perde o brilho"

    Beijos

    ResponderExcluir

Deixe sua lembrança...