domingo, 17 de outubro de 2010

tudo o que me faz bem

  E com as pequenas coisas – sim, é com elas que quero viver – nascem a liberdade. De sentir, ser, ousar, desdenhar; por que não? O que preciso não é muito mais que isso. Quero me importar apenas com o que me é necessário. Não o “necessário supérfluo”, que aos olhos nos é essencial. Quero o que preciso para viver: tudo o que está ao meu redor e que me faz bem, mesmo minimamente. Porque os mínimos, juntos, tornam-se grandes e passam a ter seu valor. Viver é um milagre, uma dádiva que não quero que se esvaia sem que eu olhe para trás e sinta orgulho do que vejo. Tenho propósitos e sonhos e esses me são únicos e me guiam. Não posso perdê-los e, se algum dia titubear, significa que nada mais vale à pena.

Um comentário:

  1. Lindo texto. Parte preferida "se algum dia titubear, significa que nada mais vale à pena."
    Foda!

    www.julianaurquisa.com

    ResponderExcluir

Deixe sua lembrança...