sábado, 18 de setembro de 2010

Carta

Pai,

  Te escrevo porque, para mim, as palavras são como uma forma de exprimir o que penso e sinto de um jeito muito íntimo. Então, desta forma, primeiro quero te parabenizar não apenas por mais um ano de vida, mas por tudo o que você é. Você tem seus defeitos, como todos temos, mas eles te fazem singular. Nem sempre conseguimos conviver em perfeita harmonia por conta deles, mas quem consegue? Aprendi a tentar ver o lado bom de tudo e todos, e é assim que procuro te ver.

  Suas qualidades também te fazem singular e ouso dizer que você não é um pai comum. É um roqueiro das antigas, que me fez ter gosto pela música tanto quanto você. Me fez aprender a nunca ficar parada, a sempre agir quando for a hora certa. Não aceitar as coisas e ser sempre íntegra e responsável nas minhas atitudes. Me ensinou a dar minha palavra e fazer com que ela valha alguma coisa. Me fez companhia todas as vezes que precisei de alguém, mesmo sendo um programa que você não curtisse tanto. Isso se chama companheirismo e você é um grande exemplo disso. Não conheço pessoa mais carinhosa que você. Apesar de durão, você é uma criança comigo.

  Só você e minha mãe souberam me passar os valores que precisei para me tornar o que sou hoje. Agradeço à Deus todos os dias pela educação que vocês me deram e me sinto grata ao ver que pais como vocês são poucos. Você me ajudou a ver um caminho bom ao lado de Deus e acreditar sempre que, tendo fé, conseguimos tudo o que um dia almejamos.

  Por isso eu te peço, pai, que não deixe nunca de acreditar. Seja forte e saiba que sua família vai sempre estar ao seu lado. Quando tudo parecer difícil, lembre-se que as coisas se tornam pequenas diante de Deus e que há problemas muito piores que o que quer que você esteja passando. Não esqueça que você jamais estará sozinho. Enfrentarei o que for ao seu lado, porque juntos somos fortes.

  Desculpe minhas falhas, meus defeitos. Sei que muitas vezes te desaponto em certas coisas. Estou só procurando o meu caminho e enquanto não o encontrar, vou errar muito. Só espero que você esteja comigo para me dar colo e me ajudar a levantar. Se muitas vezes não demonstro o quanto te amo, não quer dizer que eu não o sinta, mas é uma característica minha. Adoro sair com você e compartilhar nossos mesmos gostos. Se fosse possível, queria que esses momentos durassem para sempre.

  Te desejo tudo o que há de melhor. Você deve se orgulhar de estar ficando mais velho, pois como diz Lya Luft, a velhice significa maturidade. Suas rugas indicam o quanto você já viveu e aprendeu com tudo. Não devemos nos envergonhar de tê-las, mas sim de tentar escondê-las.

  Eu te amo e espero que você nunca esqueça isso. Certas coisas, mesmo que já tenhamos conhecimento, é bom repeti-las para que em nenhum momento haja dúvidas a respeito das mesmas. É assim com o amor.

  Você é um grande homem e espero um dia me orgulhar de dizer que puxei metade de tudo o que admiro em você.

  Com amor,

          Sua filha Paula.

Foto por Paula Napolião. (Mais em : flickr.com/paulanapoliao)

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Sobre as coisas ocultas pelo futuro

 

  Você me machuca tanto, mesmo sem saber. Te olho e não consigo acreditar que tenhamos chegado a esse ponto. Logo nós, tão seguros de nós mesmos.

  Queria gritar, protestar, te atingir e encontrar nesses atos uma forma de alívio ou evasão. Como se isso bastasse para chegarmos a um consenso...

  É incrível que mesmo com tanta ausência, você ainda tenha esse efeito em mim. Nunca chegamos a uma conclusão e quando chegamos a ela, foi temporária e não foi suficiente. Não sei dizer se foi um erro meu ter voltado atrás, mas no momento me pareceu não a coisa sensata a ser feita, mas a que eu precisava. Também não sei se, tendo a chance de voltar no tempo, mudaria tudo, porque o que guardo hoje - meras lembranças doces - se apagariam.

  O que sei é que tenho vivido. Em meio a tantas coisas, procuro te anular de todas as formas. É um meio de esquecer e não pensar. Se é o certo, também não faço ideia e acho que não pretendo achar a resposta; é o só o único jeito de seguir adiante.

  Fomos complexos em tanta simplicidade: nos enrolamos em um emaranhado de sentimentos que no momento eram cabíveis por serem verdade. E parece que tudo não é mais o mesmo, é difícil mudar. Dói. Cada dia mais nos esforçamos e tentamos curar algo que vai muito mais além do nosso conceito do que é curável. Ou não é para ser curável e a ferida precise permanecer aberta para só fechar com a sabedoria do tempo. É demais para mim e estou cansada de pensar e tentar adivinhar.

  Sei o que você também não sabe e não acho que vá saber agora.Talvez tais respostas estejam escondidas em um futuro que insiste em se manter oculto por marcas do presente, distante demais para ser enxergado. Não importa. Você continua me machucando igual e involuntariamente.

  Será que precisa ser mesmo difícil para valer alguma coisa?

  Foto por mim.