terça-feira, 24 de agosto de 2010

Mudanças

  Sempre tive opinião pra tudo. Ou quase tudo. O engraçado é que temos mesmo essa tendência; temos sempre um ponto de vista pré-formado sobre certas coisas. Pelo menos comigo funciona assim… Ou funcionava.

  Sabe aquelas frases ‘Nunca vou fazer isso’, ‘Acho pessoas que agem de tal jeito ridículas’? Quem disser que nunca fez uso de uma dessas é hipócrita. É natural julgar as pessoas por impressões que elas te passam. Somos diferentes, pensamos de jeitos diferentes e temos idéias distintas do que é certo e errado.

  E então o ponto de vista muda quando é você quem passa pela tal situação. Acho que tudo é uma ironia do destino, ou seja lá o que isso for. Uma forma da vida te mostrar que nada é concreto e inalterável. Tudo muda o tempo inteiro e quando paramos para olhar dentro de nós mesmos, descobrimos o quanto temos a capacidade de mudar. Nossas idéias, nossos pensamentos, nossos ideais, nosso senso crítico. Somos a própria mudança.

  É tudo muito pessoal, não há um padrão nas decisões que se deve tomar e hoje me dou conta disso. Cada um age de um jeito, errado ou correto, depende do modo como vemos as coisas. Não nos cabe julgar ninguém, tratam-se de histórias e pessoas diferentes. Generalizar é só mais uma burrice humana que cometemos todos os dias sem sentir.

  Quero aprender cada dia mais a não olhar para o lado com um pré-conceito formado. Não gosto quando o fazem comigo. Quero mudar de opinião, me reciclar, me transformar. Não é isso o que fazemos sempre (ou ao menos devíamos fazer)? Não é feio mudar minha opinião, pensar diferente, agir inusitadamente.

  Essa sou eu, crescendo e aprendendo.

sábado, 7 de agosto de 2010

E elas querem ser gente…

 

  Não sei por que ainda me assusto com certas coisas que ando vendo ultimamente. Na verdade, era para eu estar mais que acostumada, geralmente quando algo está muito presente em nossas vidas, tendemos a nos acostumar mais facilmente, ainda que tal coisa não seja muito certa. É, somos muito tendenciosos.

  Bom, o fato é que tudo muda. Sua casa, suas roupas, seu cabelo, sua vida, suas atitudes, seus amigos. Principalmente as pessoas, o que é bem natural considerando que estamos em constante evolução. Infelizmente nem todos evoluem… Mas, mantendo o foco... Não uso a palavra evoluir em seu sentido intelectual, mas sim no sentindo de mudar. As gerações, por exemplo, mudam sempre e isso também é totalmente cabível. Já parou para pensar nos adultos de antigamente? Todos cheios de etiquetas e modos corretos de agir. E nos velhinhos (não gosto de usar a palavra ‘idoso’. Acho velhinho tão fofo! Qual o problema com a velhice?) ? Eles eram recatados, usavam roupas que condiziam com sua idade. Ok, nem todos, minha avó nunca fez esse tipinho. Só quem conhece Dona Ana (ou Donana para os íntimos) pode dizer. Mas enfim…

  Se tem uma fase que anda me assustando é a infância. As crianças de antigamente eram fofas até dizer chega! Brincavam na rua, se sujavam, tinham o maior respeito por pai e mãe, mentiam por coisinhas banais e beijar na boca... Só lá pelos 15, que era a idade mágica! E ainda assim tinha que ter toda uma preparação, um ritual, um olho-no-olho, cartinhas com juras de amor... Hoje em dia tudo o que falei simplesmente não existe mais. Os pequenos ao invés de sair e brincar na rua com os amigos, escondem-se atrás da tela de um computador e passam a ter uma vida totalmente privada, sem que os pais tenham a mínima consciência do que eles fazem. Mentem, enganam, desrespeitam o pai e a mãe como se fossem qualquer outro indíviduo. Beijar na boca eles já aprenderam há muito tempo! E querem partir logo para o ‘finalmente’. Vestem-se muitas vezes como adultos e agem como tais!

  Confesso que fico escandalizada com isso. Se o pequeno não tiver uma família presente e pais que lhe indiquem o melhor caminho, a educação do filho simplesmente está perdida. Quando vejo certas meninas tendo conversas absurdas para tal faixa etária, a primeira coisa que penso é nos meus filhos. Naqueles que pretendo ter daqui há uns (muitos) anos. Será que estão predestinados a conviver numa sociedade tão precoce assim? Eles terão contato com gente de verdade ou só com um teclado frio de computador? Suas roupas serão modernas e ousadas para me desafiar? No que me diz respeito, espero que não e farei o máximo para isso não acontecer.

  Fases da vida são etapas pelas quais temos que passar. Todas em seu tempo, do seu jeitinho, com suas devidas descobertas. Por que apressar tanto as coisas? Por que tem-se tanta pressa em passar pela vida? Essas crianças podem crescer por fora (ou achar que estão crescendo), mas o pensamento delas, apesar da perda da inocência, não consegue comportar tanta novidade. Por isso se perdem tão facilmente com tantos caminhos.

  Não preciso nem falar dos adolescentes, que parecem não ter nada na cabeça e achar que nada tem consequência... Me parece que antigamente se tinha um propósito de vida, que hoje em dia está perdido. Talvez o achem por aí, mas temo que seja tarde demais quando isso acontecer.

‘Parece estranho
Sinto o mundo girando ao contrário
Foi o amor que fugiu da sua casa
E tudo se perdeu no tempo’

   Rosa de Saron – Mais quem um mero poema

Créditos da imagem: aqui

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

If you really like me

 

  Se você me dissesse que gosta de mim, eu duvidaria. Claro, vou sempre duvidar de tudo aquilo que eu não puder alcançar e tocar com minhas mãos. O seu sentimento é algo assim, que só você conhece. Por isso eu tenho medo, não tenho controle sobre as coisas. Mas espere, isso não quer dizer que eu não o retribua. Talvez por isso eu seja tão receosa! Não sei se acontece da mesma forma para você como é para mim. É engraçado como buscamos equilíbrio em tudo e raramente o encontramos. É o segredo da vida, aposto.

  Se você realmente gostar de mim, quem sabe um dia eu consiga compreender. Não, não compreender totalmente, mas aceitar. Sentimentos não são tão compreensíveis, não quando dizem respeito à seres humanos em constantes mudanças. Então, ainda assim, posso me esforçar para tentar acreditar. Na verdade não creio que seja tão difícil, é mais por culpa de minha insistência em não confiar cegamente nas pessoas. Acredite, a culpa não é sua mesmo...

  De que adianta minha resistência? Agora já é tarde. Seus olhos conseguem me dizer sutilmente o que suas palavras me fazem duvidar. Já notei, inclusive, o seu sorriso de satisfação ao me ter por perto. Só não conte a ninguém, pelo nosso bem. Deixe que vejam pelos seus gestos o seu amor por mim, talvez alguém entenda do que se trata e parem de criticar-nos. Será? Acho que não e tampouco me importo com isso: o que sentimos é muito mais forte do que qualquer crítica. Não precisamos disso e não precisamos deles.

  Vamos ser felizes? Se você aceitar, prometo que te direi com os olhos tudo aquilo que não consegui exprimir em palavras.

  Créditos da imagem: aqui